2016

img_0641blog

Me ausentei do blog mais do que gostaria em 2016. Há muitos motivos para essa ausência, mas o principal foi a falta de tempo. Não sei se posso prometer posts diários para 2017, mas vou tentar não abandonar de novo o blog.

Resolvi escrever este post para falar dos meus favoritos em 2016.

Cabelo:

hairNão tive nenhum penteado novo favorito (por isso, faltou video no canal do youtube, ops), mas tive alguns produtos favoritos, rs. Gostei muito do shampoo a seco da Cless que é para cabelos com caspa. Tanto que usei tudo antes de fazer um review aqui para o blog e não tenho fotos para mostrar. Mas ele limpa sem deixar branco e duro o cabelo, tem um cheirinho gostoso e eu achei que não me comprometeu em relação à caspa, rs.

Comprei vários itens para prender o cabelo. OS favoritos é uma presilha da Piuka e a tiara da Beauty Box. Comprei o grampo para coques lá também, mas para a minha quantidade de cabelo, não dá certo. Vou cortar em camadas em breve, daí, usarei de novo e darei uma melhor opinião, rs.

Voltei a ser ruiva! E esse é uma das mudanças positivas para meu cabelo em 2016. Por fim, pela primeira vez fiz meu cabelo ficar todo do mesmo comprimento, até a franja. Posso dizer que ficou MUITO cabelo. Vou mudar.

ruiva

Maquiagem

O produto favorito foi a base da Make Up Forever que comprei na Black Friday da Sephora (a Ultra HD, cor 117). É maravilhosa. Gostei também de um batom da Revlon que achei na Renner (Revlon Ultra HD Matte Lipcolor na cor 600 – Devotion). Matte, mas deixa o lábio hidratado.

Filme

Assisti MUITOS filmes de superherói. O que mais gostei? Acho que Dr. Estranho. Achei muito bonito visualmente e as atuações do Benedict Cumberbatch e da Tilda Swinton são excelentes.

Sem ser da briga Marvel vs DC, gostei bastante de Star Trek – Sem Fronteiras; O Contador e Rogue One. Preciso fazer algo para anotar os filmes que assisti, porque não consigo lembrar de mais nenhum, ops.

Séries

Assisti neste anos às duas temporadas de Demolidor e Luke Cage (gostei mais deste que do Demolidor); Stranger Things (muito amor envolvido); Game of Thrones (adorei); Westworld (muito louco); Gilmore Girls A Year in The Life; The Crown e algumas temporadas de Orphan Black e Arrow. Além do episódio Nosedive de Black Mirror (fantástico). De um modo geral, gostei do que assisti na TV esse ano.

Livros

Não li a minha meta de leitura do ano (again, time issues). Mas gostei bastante de Vocação Para o Mal do Robert Galbraith e de Eragon do Christopher Paolini.

Eventos

Gostei MUITO de acompanhar duas partidas de futebol in loco, nas Olimpíadas do Rio. Foi muito bacana.

Adorei participar das minhas primeiras corridas de rua. Comecei na da Track & Field do Iguatemi (fui de pipoca, rs); depois corri minha primeira corrida noturna (Night Run); seguidas de duas fases das corridas das estações (Inverno e Primavera). Espero continuar correndo ano que vem!

corridaTambém foi legal ver o Beakman ao vivo em uma feira nerd aqui na minha cidade.

Acho que é isso. Boa virada a todos e até 2017!

leila

Minhas considerações sobre Game of Thrones (a série)

game thrones

O texto de hoje pode conter spoilers para quem não está acompanhando a sexta temporada de Game of Thrones.

Como fã dos livros, não poderia ter ficado sem ver a série de TV e sucesso que todo mundo acompanha hoje em dia. Minha opinião sobre as temporadas é a que segue:

1a. temporada: A mais fiel aos livros. Aqui vê-se claramente uma intenção de trazer a obra dos livros para outra mídia, mas com muito respeito ao original.

2a. temporada: Começa algumas concessões, especialmente à respeito de alguns personagens (que são trocados ou que tem a história alterada, como o Gendry, para caber melhor na TV).

3a. temporada: A série ganha alguns momentos de charme maior, com a cena do Casamento Vermelho sendo muito bem tratada, para agradar tanto quem leu aos livros, quanto ao fã da série em si.

4a. temporada: Acelera bastante a história tomando algumas liberdades em relação a alguns personagens, e contendo o casamento roxo no começo. Dá um destaque ainda maior ao julgamento do Tyrion, aproveitando a excelente performance de Peter Dinklage no papel.

5a. temporada: Aqui há maiores divergências entre série em livro, especialmente em relação à Sansa, Brienne, Jamie, Shireen e Stannis. Boa parte da Muralha é mudada (saída e retorno de Melissandre), e uma das cenas de batalha mais impressionantes ficou apenas na temporada (entre a Patrulha e o Selvagens contra os Andantes Brancos).

6a. temporada: a com maior liberdade aos livros, até porque estes não existem, tomou liberdade com o sequenciamento da série ao transformar o segundo episódio em um cheio de reviravoltas na trama, algo que costumeiramente aconteceria no oitavo capítulo da temporada. No terceiro episódio o ritmo foi mais lento, mas houve bastante desenvolvimento nas tramas de Arya e Jon.

Vamos ver onde a sexta temporada irá nos deixar.

leila

 

Por que assistir Orhan Black?

orphan black 03Vou começar voltando para 2014. Cheguei na Inglaterra e fiz uma amiga que é apaixonada por sci-fi. Ela entra na sociedade de sci-fi da faculdade e começa a contar que eles assistem uma série chamada Orhan Black, que era muito boa e que eu deveria ir em uma das semanas assistir…

Volto para 2016. Um arrependimento é não ter ido nesses encontros assistir Orhan Black, rs. Descobri que a série tem duas temporadas disponíveis no Netflix (demora para liberar a terceira?) e resolvi assistir. E tenho que dizer que é viciante. A história? Sarah Manning está voltando para casa (me disseram que o show se passa em Toronto, espero estar certa a esse respeito) de trem. Ao chegar na estação, ela liga para seu irmão adotivo Felix (Fee), para falar que voltou e quer encontrar sua filha, que estaria com a Sra. S (mãe adotiva dos dois). Quando desliga o telefone, ela vê uma moça absolutamente idêntica a si mesma. Essa moça, está chorando. Após largar bolsa e pertences na estação, a moça se joga nos trilhos antes do trem chegar, cometendo suicido. Sarah hesita alguns instantes, e então pega a bolsa da sua “gêmea” e sai correndo.

O que ela descobre sobre a moça é que ela tinha uma vida relativamente boa. Então, ela decide trocar de lugar com a suicida, e pede para que Felix vá ao necrotério e identifique a moça como ela mesmo. Apesar de tudo indicar que essa é a coisa errada a se fazer, Sarah segue com o plano, mesmo descobrindo que Beth Childs (a que se suicidou) é policial. E tudo vai ficando mais complexo, porque logo mais, ela descobre uma outra pessoa idêntica a si, uma alemã chamada Katja. E tudo vai ficando cada vez mais louco e interessante a cada episódio.

Listo aqui alguns motivos para assistir a esta série:

– A história é muito interessante e parece que os roteiristas sabem o que planejam para o futuro, ou seja, não é uma série que vai decidindo a história a cada episódio e mudando demais com o tempo (ou assim eu espero, rs).

orphan black 2

– A atriz Tatiana Maslany faz um trabalho excelente como as versões de Sarah (não vou dar o segredinho do porquê elas são idênticas porque acho mais legal assistir e descobrir). Cada uma tem uma personalidade, um tom de voz, um sotaque, uma postura, um jeito de andar… Algumas vezes é possível esquecer que aquela cena está sendo feita pela mesma atriz em dois papéis. Principalmente, nas interações com a Helena e a Rachel.

– Os outros atores da série fazem um excelente trabalho também, como o Jordan Gavarros (Felix) e a Maria Doyle Kennedy (Siobhan ou sra. S).

– A série tem muito eye candy, principalmente na forma de namorados da Sarah, rs.

– Como cada temporada tem apenas 10 episódios, não costuma ter filler episodes (ou seja, aqueles que apenas completam a série, sem levar a nenhuma conclusão sobre a trama principal). Cada episódio traz um desenvolvimento para a trama, mesmo que pequeno, sempre muito relevante.

orphan black 01

– O fato de as temporadas serem curtas também é bom porque é menos tempo para chegar a conclusões. Aliás, eu ando muito fã de temporadas curtas, rs.

Espero que vocês resolvam dar uma chance a série!

Boa semana!

leila